Seguidores

quinta-feira, 2 de março de 2017

E se o impossível fosse possível?

Artigo retirado do Portal Nós Quânticos titulo original 3 FERRAMENTAS DA OBRA “BEING YOU” PARA VOCÊ PARAR DE JULGAR O SEU CORPO!


E se o impossível fosse possível? 


Em uma entrevista concedida à Amelia Burton, em uma rede de TV australiana, Dain Heer, Co-fundador de Access Consciousness® explicou que existem maneiras bem mais fáceis e prazerosas de viver. 

“Muitas pessoas querem mudar sua aparência por não gostarem de seus corpos. 

Mas o que aconteceria se fizessem essa mudança de uma forma divertida?”, indagou. 

“Se você, por exemplo, acordasse e praticasse algum exercício somente por diversão? E, se depois, dissesse o quanto foi incrível fazer isso e, assim, ser grato à você ao invés de julgar-se?” 


 Segundo ele, estabelecemos centenas de objetivos na vida. Algumas vezes, somos bem-sucedidos. O problema é quando não somos e, dessa forma, nos sentimos aprisionados a um objetivo. Por isso, ele propõe que você escolha um alvo a alcançar e não um objetivo. “Se mira um alvo e erra, você pode atirar novamente. Por outro lado, se estabelece um objetivo e não o cumpre começa a se julgar e isso traz a certeza de que nunca o atingirá”, disse.

 Dan reconheceu que traçamos objetivos o tempo todo. No fim do ano, por exemplo, fazemos planos para o novo ciclo que se aproxima. Fomos ensinados a fazer isso desde a adolescência, como um sinal de que estamos nos tornando adultos. 

“Então, se você estabelece 500 objetivos e atinge apenas um deles sente como se um pedaço da sua alma morresse.” 


 O mesmo acontece com quem está acima do peso. Que tal, ao invés de se julgar, reconhecer que você fez algumas coisas que o ajudaram a chegar nessa situação e, então, perguntar ao seu corpo o que você pode fazer para a mudar isso?

 Para exemplificar, Heer citou o caso da mulher 40 quilos acima do peso. Depois de ter feito várias dietas para emagrecer, ela perguntou ao corpo o que era preciso para eliminar os quilos extras. 

Não ouviu resposta, porque ele não fala com palavras, mas percebeu as dicas: e então o que aconteceu com ela, foi que 2 semanas depois, ela estava andando pelas ruas de Nova Iorque e ela escutou pessoas conversando sobre planos de dieta e seu corpo pulou sobre o banco da praça para estar onde eles estavam e ela perguntou então, desculpem, sobre o que vocês estavam falando? 

Eles disseram e ela foi neste plano de dieta e perdeu 9 kilos neste mês e continuou indo e isso era o que o seu corpo queria. 

“A maioria de nós, infelizmente, aceita o ponto de vista de alguém sobre o que é certo para o nosso corpo em vez de perguntar a ele qual o ponto de vista certo. 

Então, quando começamos a perguntar e ouvir, as mudanças acontecem de forma extremamente rápida”, afirmou. 

 Ele explicou ainda que existe uma contradição grande entre o que queremos fazer e o que nosso corpo demonstra. 

Ao acordar, você pode desejar comidas saudáveis. E, à noite, querer vinho e chocolate. 

“Temos coisas interessantes sobre isso: a primeira delas é que até 90% do que acontece no nosso corpo, além dos pensamentos, emoções e sentimentos, na verdade não nos pertence.” 


Mesmo que não acredite, experimente fazer o exercício sugerido por ele. 

“Nos próximos três dias, cada vez que você tiver um pensamento, emoção ou sentimento, faça a pergunta: 

‘A quem pertence isso?’ 


O que acontece é que se não for seu, isso se acende, se você estiver sentindo raiva, tristeza, vontade de não trabalhar por exemplo e depois de fazer a pergunta, “A quem pertence isso?” e isso acender, significa que não é seu!!! 

Você está apenas percebendo e isso não lhe pertence!!! 

 Outra situação citada por ele é a daqueles dias que começam felizes e, de repente, nos deixam tristes sem razão aparente.

 Esse é um exemplo que pode ter origem no sentimento de uma pessoa próxima, que acabou de romper um namoro ou vive uma situação similar. 

“Pegamos a energia física de outras pessoas e sempre achamos que são nossas!”, explica Dan. 


Para mostrar como isso é verdadeiro, ele contou ainda o caso de uma mulher que usou o recurso de fazer a pergunta “A quem pertence isso?” sempre que sentia fome no trabalho. Em um mês, ela eliminou 11 quilos porque estava comendo Donuts sem parar também pelos colegas do emprego! 


“Então, desde o começo do dia, quando queremos coisas saudáveis, até a noite, quando desejamos vinho e chocolate, quantos pontos de vista de outras pessoas nós pegamos e nunca soubemos que era isso?”, pergunta. 

“Então, durante três dias sempre faça a pergunta: ‘A quem pertence isso?’ para cada pensamento, emoção, sentimento, julgamento ou ponto de vista que você tenha.” 


 Em seus cursos, Heer ensina outras ferramentas para ajudar as pessoas a lidarem com seus corpos e emoções. 

 Aqui temos 3 dessas ferramentas disponibilizadas por Dain para você utilizar

 “Quando começar a se julgar ou julgar seu corpo:

 Você tem 3 ferramentas: a primeira é fazer a pergunta ‘A quem pertence isso? porque isso pode não ser seu!




 Pode ser apenas como a mulher que pegava a vontade dos outros em comer Donuts no escritório e neste caso, devolva isso ao remetente! 

 A segunda é simplesmente exigir que aquele pensamento ou emoção pare. 


Faça como quem exige algo e não quer seguir determinada direção e pergunte pelo que posso ser grato ao meu corpo? 

 E a terceira ferramenta, que você pode usar em qualquer momento de tristeza ou quando a energia simplesmente estiver estranha, é reconhecer isso e ficar com essa sensação apenas por mais um momento. 

Aí diga: “Interessante ponto de vista, Eu tenho esse ponto de vista”. Repita de 3 a 15 vezes. Então, aquela estranha tristeza e a energia baixa serão dissipadas rapidamente. 


 * Transcrição e tradução livre de Luciana Ricarte da entrevista de Dain Heer sobre o primeiro capítulo do livro que deu origem à Classe Being You. 

Para assistir a entrevista em Inglês, clique no link abaixo:https://youtu.be/hu2cpXewQ5M